Cícero Cattani
20 jul 2018

Traiano desviou dinheiro das escolas para empresa do filho

Parte do dinheiro sujo desviado da construção de escolas, no escândalo apurado pela Operação Quadro Negro, foi usado para socorrer empresa do filho do deputado Ademar Traiano, “com problema de caixa”, conforme delação do dono da Construtora Valor. As escolas sequer saíram do chão e o dinheiro pago antecipadamente pelo governo do Estado alimentou caixas de campanha eleitoral de políticos influentes, como o governador Beto Richa.

“…ele (Traiano) me chamou no gabinete da Presidência e disse que o filho dele tinha uma empresa que trabalhava com coleta de lixo, ou coisa do tipo, e que estava com um problema de caixa. Então me pediu mais R$ 100.000,00 (cem mil reais), e eu dei de novo”.   Trecho da delação homologada do empreiteiro Eduardo Lopes de Souza.

Quando eu abri a mala para tirar os R$ 100.000,00 (cem mil reais) e o Deputado TRAIANO viu que tinha mais, ele disse “não pode me dar mais?”. Eu falei que aquele dinheiro já estava comprometido para acampanha” – idem

   Traiano Júnior, chamado de “Rei do Lixo”, está na ira do MPE por suspeita de privilégios na licitação de concorrências  para coleta e destinação lixo urbano no Paraná. Uma das empresas, a MTX Ambiental, é dona de 23 contratos em dez municípios.

Uma outra empresa de Traiano Júnior, a  Ambiental Campos Gerais Gerenciamento de Resíduos Sólidos, aberta em 2016, é suspeita de  favorecimento em uma concorrência para o  novo aterro sanitário em Ponta Grossa,  num negócio de R$ 51 milhões. O promotor de Justiça Honorino Treme abriu inquérito para apurar se a licitação foi direcionada para a vitória da Ambiental Campos Gerais.

Dinheiro sujo

– “O FANINI (Maurício, diretor da Secretaria de Educação)) me contou que participou de uma reunião na casa do Governador BETO RICHA, uns quarenta e cinco dias antes da eleição, com a presença do Deputado
Estadual ADEMAR TRAIANO, na qual ficou acertado pelos presentes que também
ajudariam com parte dos recursos desviados da SEED na campanha do Deputado
TRAIANO à reeleição. FANINI, então, me disse que a empresa TALENTO tinha ajudado
com R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) e que eu precisaria ajudar também, o que foi feito.
Combinamos de entregar R$ 100.000,00 (cem mil reais). Eu fui até a sala da liderança do
governo na Assembleia com a minha mala de dinheiro. Eu conheci o Deputado TRAIANO
nessa ocasião e falando sobre o FANINI o TRAIANO disse “o BETO tem um homem de
confiança em cada setor do governo. O homem dele na educação é o FANINI. É o cara
da casa do Governador, da cozinha do Governador”. Quando eu abri a mala para tirar os
R$ 100.000,00 (cem mil reais) e o Deputado TRAIANO viu que tinha mais, ele disse “não
pode me dar mais?”. Eu falei que aquele dinheiro já estava comprometido para a
campanha. Passada a eleição, acho que no mês de dezembro de 2014, o Deputado
TRAIANO me chamou para conversar e nos encontramos num café em frente a Fast
Shop, no shopping Pátio Batel. Lá ele disse que sabia que eu era “o caixa”, que estava
com uma dívida de campanha e que seria o novo Presidente da Assembleia Legislativa
do Estado do Paraná (em substituição ao Deputado VALDIR ROSSONI, eleito para o
cargo de Deputado Federal), e disse que eu teria que dar para ele a quantia de
R$ 100.000,00 (cem mil reais). Eu entreguei o dinheiro para ele lá no gabinete da
liderança (ele ainda era o líder do governo) alguns dias depois. Em fevereiro de 2015, uns
dez dias depois dele tomar posse como Presidente da Assembleia, ele me chamou no
gabinete da Presidência e disse que o filho dele tinha uma empresa que trabalhava com
coleta de lixo, ou coisa do tipo, e que estava com um problema de caixa. Então me pediu
mais R$ 100.000,00 (cem mil reais), e eu dei de novo, alguns dias depois, lá numa sala
ao lado do gabinete da Presidência. Por volta do mês de março de 2015 os pagamentos
da VALOR estavam atrasados e eu fui falar com ele sobre isso. Fizemos uma reunião
nessa mesma sala ao lado do gabinete, em que a MARILANE e o Deputado PLAUTO
também participaram. Os Deputados chamaram a MARI para ela explicar o que estava
acontecendo. Depois que os pagamentos foram liberados, eu levei mais R$ 100.000,00
(cem mil reais) para o Deputado TRAIANO, na casa dele, que fica na esquina da Rua
Euclides da Cunha com a Alameda Julia da Costa. Dessa vez eu adotei o sistema de
levar o dinheiro em caixas de vinho. Eu subi no apartamento, onde o filho do Deputado
também estava presente. .. Eu tenho a impressão de uma conversa no whasapp com o Deputado TRAIANO
em que falamos sobre esse dia em que eu fui lá levar o dinheiro. No meu celular (linha nº
41-XXXXXXXX), tinham registradas outras conversas de whatsapp que tive com o
Deputado TRAIANO marcando encontros, e coisas assim, mas acho que foram apagadas.

(Trecho da delação de Eduardo Lopes de Souza, dono da construtora Valor, usada por políticos para se apossarem de recurso destinados à construção de escolas, em depoimento já homologado pela Justiça, dando conta das propinas pagas a Ademar Traiano. As escolas que sequer saíram do chão.)

————-

“Filho do presidente da Assembleia tem carreira meteórica como “Rei do Lixo”, com esse título, o site de investigação jornalística The Intercep relata a saga dos Traiano:

Ademar Traiano – 

Ademar Traiano é político desde 1982, ano em que se elegeu vereador na pequena Santo Antônio do Sudoeste, cidade de 18,9 mil habitantes a 650 km de Curitiba. Três anos depois, virou prefeito. Formado em Direito, tornou-se, nesse meio tempo, empresário do setor de confecções – sua empresa, a Traiano Multi Griffes, usa a marca Traymon.

Em 1990, ele ganhou o primeiro de seus sete mandatos consecutivos como deputado estadual. Mas só ganhou algum protagonismo a partir de 2010, quando Richa, recém-eleito, o fez líder de seu governo. “Até ali, ele era um político de terceiro escalão”.

Cinco anos depois, se tornou presidente da casa. E deixou sua marca:

Em abril de 2015, quando a polícia usava helicópteros para atirar bombas de gás contra professores que protestavam contra mudanças na previdência, num episódio que ficou conhecido como Massacre do Centro Cívico, Traiano deu de ombros e fez o que o governo queria. “As bombas são lá fora, vamos tocar a votação aqui dentro”, anunciou. As mudanças desejadas por Richa foram aprovadas.

Traiano Júnior – 

Traiano Júnior tinha 19 anos quando começou a receber salários do parlamento e 25 quando deixou o cargo. Durante 22 meses, entre 2002 e 2003, seus contracheques superaram o teto constitucional. Por conta disso, o pai, em julho passado, aceitou fechar um termo de ajustamento de conduta com o MP para devolver aos cofres públicos o dinheiro que o filho recebeu acima do teto – exatos R$ 356 mil, em valores atualizados. Os pagamentos começaram em janeiro passado. Serão 36 parcelas mensais de R$ 9,9 mil.

É uma trajetória notável para alguém que só entrou no negócio do lixo em 2010, mesmo ano em que a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que obrigou os municípios a extinguir os lixões e dar outra destinação aos resíduos foi aprovada. Antes disso, entre 2000 e 2006, vivia sob as asas do pai (deputado estadual desde 1990) como ocupante de cargo em comissão na Assembleia Legislativa.

Saiba mais:

https://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/delator-relata-propina-paga-a-ademar-traiano-psdb-presidente-da-assembleia-15d4mzrovtp7u308btv11b9e5

https://theintercept.com/2018/03/20/psdb-parana-lixo/

Comentários

  • Rock | 20 jul 2018

    Velhinho safado sem caráter e ainda se torna presidente da ALEP., que já tinha no passado outro igual o Rossoni.

  • bs | 21 jul 2018

    O nome diz tudo,
    Paranaense continua a eleger famílias que se apossam do poder, e distribuem migalhas para o povo.
    Votar NULO, proteste.

  • Marco - Prof. | 21 jul 2018

    Atenção Ministério Público.
    Esprema que sai coisa desta dupla – Pai e Filho. Esquema montado no Paraná, Trajano Junior dono de 23 contratos em 10 cidades para recolhimento de lixo, sendo o Pai , presidente da ALEP e denunciado pelo dono da Construtora Valor.

  • Nelson | 21 jul 2018

    No entanto esse e outros notórios ladroēs desfilam sua empáfia aqui no sudoeste e são saudados com mesuras e salamaleques pela sociedade carcomida pela corrupção e que tem esses políticos como seus LEGÍTIMOS REPRESENTANTES!

  • Vilmar | 23 jul 2018

    Não reeleja mais ninguém q já foi político a culpa é nossa vamos dar chance p novos vagabundosssss

  • Ana Angelica Ribeiro de Novais | 24 jul 2018

    E de pensar que nos estamos nas maos desses mafiosos…

  • José Márcio davanso de Oliveira | 24 jul 2018

    Onde iremos parar bando de ladrões vagabundos mas irão pagar de Deus nada escapa….

  • Cezar Luhm | 25 jul 2018

    Bem, Beto Richa é coisa do passado! Já é tempo de renovação, sempre deveríamos pensar em renovar, agora mais que nunca!
    Acho que vou de Francisquini no senado!

Faça um Comentário