Cícero Cattani
10 abr 2018

Sobreaviso geral. Está chegando a vez dos tucanos

Pau que bate em Chico, bate em Francisco também. Quer dizer, que uma coisa que é válida para Aécio Neves, também deve ser válida para Beto Richa, como já tinha sido para o ex-governador tucano de Minas Gerais, Eduardo Azeredo. Assim, tucanos de todos matizes e grandezas  estão com seus vistosos bicos  voltados para Brasília, ansiosos pelo que pode vir pela frente.

Motivos não faltam:

O julgamento no Supremo da denúncia do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no inquérito que surgiu a partir da delação de executivos da J&F, controladora da JBS, foi marcado para a terça-feira da semana que vem.

Pivô do mensalão tucano, o ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo — já condenado em segunda instância pela Justiça mineira — pode ser preso ainda este mês.

Sem foro privilegiado, o tucano Beto Richa, o mais vistoso do Paraná, tem pelo menos três processos aguardando pronunciamento do STF e do TSJ.  Porém, o que está mais perto dele – e de maior risco – é o que apura o escândalo das propinas do pedágio, em mãos do juiz Sergio Moro.

Dos jornais

– Em delação premiada fechada em maio deste ano, Ricardo Saud relatou um pagamento de R$ 1 milhão em dinheiro vivo para Pepe Richa, irmão do governador e atual secretário de Estado de Infraestrutura e Logística. O ex-diretor qualificou o intermediário como “emissário de Richa”. A entrega do dinheiro teria ocorrido no carro do irmão do governador, na porta de um supermercado em Curitiba, e o valor destinado à campanha de 2014, quando Richa concorreu à reeleição. (Gazeta do Povo)

– O julgamento da denúncia do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no inquérito que surgiu a partir da delação de executivos da J&F, controladora da JBS, foi marcado para a terça-feira da semana que vem. Na ocasião, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirá se aceita ou não a denúncia contra o tucano. Aécio é acusado de receber propina de R$ 2 milhões da empresa e ter tentado atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato. Ele nega as acusações.Se o colegiado aceitar a denúncia, Aécio passará à condição de réu. ( O Globo) –

– Pivô do mensalão tucano, o ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo — já condenado em segunda instância pela Justiça mineira — pode ser preso ainda este mês. Está marcado para o dia 24 de abril o julgamento dos embargos infringentes, último recurso capaz de alterar a sentença da 9ª Câmara Criminal de Belo Horizonte. Caso seja negado, Azeredo poderá ser preso, assim como ocorreu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está desde o último sábado na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. (O Globo)

Faça um Comentário