Cícero Cattani
09 jun 2017

Seria Richa um sonhador que se torna grande mentiroso?

“Projeções exorbitantes são características de pessoas sonhadoras que carregam um extremo otimismo em relação ao futuro. O problema é que a vida real não corresponde às expectativas e o sonhador se torna um grande mentiroso . Isso porque ele quer agradar os outros e não sabe lidar com a realidade e paciência. Outras vezes, como promessas são apenas desculpas para não se perder o outro, com objetivo de mantê-lo em seu domínio, sem refletir sobre seus erros e procurar melhorar como ser humano”.

Segundo a psicóloga Eloá Andreassa, quem muito promete é “infantil e manipulador”. “Esse sujeito sempre abre novas possibilidades, prometendo mundos e fundos , mas quase nunca termina. Ou seja, cumpre “, explica a profissional

O governador Beto Richa se enquadraria no quadro apresentado pelo psicóloga Eloá Andressa, em matéria da Gazeta sobre “Mentirinhas do dia a dia, comprometem-se credibilidade e podem indicar doença de doença. Promessas demais descredibilizam há quem nunca cumpre, mas o que leva o “mentiroso inocente” a se tornar compulsivo?

A insistente propaganda que o governo do estado bombardeia pela televisão  seus questionáveis feitos pode sugerir que  Beto Richa se enquadra, sim: “O problema é que a vida real não corresponde às expectativas e o sonhador se torna um grande mentiroso”, como avalia a psicóloga Eloá Andressa, na Gazeta. (http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/comportamento/mentir-demais-pode-indicar-doenca/) 

“Outras vezes, como promessas são apenas desculpas para não se perder o outro, com objetivo de mantê-lo em seu domínio, sem refletir sobre seus erros e procurar melhorar como ser humano”. “O “outro” pode ser o eleitor, afinal é sabido que Richa vive o fim de mandato e se prepara para disputar o Senado, agora,  em 2018.

E, para tanto, deve se desincompatibilizar até sete de abril do ano que vem. A menos de um ano. Tempo curto para reverter o fiasco que foi as duas gestões tucanas, como atestam as pesquisas de opinião pública.

Falta que algum deputado questione na Assembleia o custo dessa campanha, verdadeira propaganda enganosa, aos cofres públicos, numa época de finanças magras para até as despesas comezinhas nas áreas de segurança, saúde e educação.

Ou seja denunciado por propaganda eleitoral fora do prazo de lei.

Comentários

  • zangado | 09 jun 2017

    Tudo bem que se tente uma análise psicológica do governador-família do Paraná, mas quando se trata de inapetência e incompetência para governar embrulhada em malversações que vem desde a “sogra-fantasma”, passando pela operação Riquixá, até a Publicano e Quadro Negro, o caso está mais para policial. O já notório pior governador que passou pela cadeira do Palácio deve ter sua sentença também nas próximas urnas, se a tanto ousar se colocar à sociedade que amarga seu desgoverno.

Faça um Comentário