Cícero Cattani
02 abr 2019

Por que evangélicos brasileiros se alinham com Israel?

Por Diogo Bercit Folha de S. Paulo

A controversa visita do presidente Jair Bolsonaro (PSL) a Israel nesta semana evidencia a recente guinada da política externa brasileira em relação àquele país médio-oriental. Os governos de Lula e Dilma Rousseff (PT) demonstravam ter alguma simpatia à causa palestina. Bolsonaro, por sua vez, tem se aproximado cada vez mais de Israel. Eles ocupam, pois, lados distintos do conflito travado entre israelenses e palestinos, dois povos que reivindicam Jerusalém como sua capital.

Uma das explicações para as diferentes posturas é a religião. O governo de Bolsonaro conta com o apoio de uma importante fatia da população e do Congresso: os evangélicos. Para alguns seguidores dessa fé, a supremacia de Israel é uma questão urgente, profética e apocalíptica. Parte dos evangélicos acreditam que o fim do mundo — e o retorno de Jesus Cristo — dependem da presença dos judeus em Israel. Assim, o apoio ao projeto sionista é um modo de, digamos, acelerar a profecia.

Citando a Bíblia, evangélicos apontam para a presença de judeus naquelas terras durante a Antiguidade. Eles dizem, ademais, que os judeus são o povo escolhido por Deus. Mas essas afirmações não explicam, sozinhas, por que razão os evangélicos se aproximaram de Israel nas últimas décadas. Os demais cristãos também acreditam na Bíblia, afinal, mas não se sentem particularmente próximos dos judeus.

No livro “Epic Encounters” (encontros épicos), Melani McAlister explica o contexto histórico específico que levou à aliança entre evangélicos e israelenses. Em 1970, um autor relativamente desconhecido chamado Hal Lindsey, graduado em um seminário de Dallas, publicou a obra “The Late Great Planet Earth” (“A Agonia do Grande Planeta Terra”). Foi o livro de não ficção mais vendido dos anos 1970 nos EUA. Estima-se que 28 milhões de cópias foram vendidas até 1998 (em comparação — Minas Gerais tem 21 milhões de habitantes).

Não foi a primeira vez, é claro, em que alguém estudou as profecias da Bíblia e disse que o fim do mundo estava próximo. Mas Lindsey foi um dos primeiros a popularizar a ideia de que esses eventos estão relacionados com o Estado de Israel, criado em 1948 no que era até então um protetorado britânico no Oriente Médio. Ele lembrou seus leitores de que o Apocalipse dependia de três coisas: 1) a nação judaica ser recriada na Palestina, 2) a reconquista de Jerusalém e 3) a reconstrução do templo sagrado. Em 1970, data do lançamento do livro, os dois primeiros itens já tinham sido concretizados. Assim, evangélicos passaram a acompanhar de perto a geopolítica do Oriente Médio, enxergando naquela região os sinais apocalípticos da Bíblia.

É esse, em parte, o contexto do crescente apoio americano ao Estado de Israel, sob Donald Trump. As ideias de Lindsey estão também presentes no governo de Jair Bolsonaro. Não surpreende, portanto, a decepção de uma parcela dos evangélicos ao ouvir que o Brasil não vai mais transferir sua embaixada em Israel — atualmente em Tel Aviv — para Jerusalém. O governo decidiu apenas abrir um escritório comercial ali. “O compromisso com o povo evangélico e judeu é outro”, disse Sóstenes Cavalcante (DEM) à repórter Anna Virginia Balloussier.

Faça um Comentário