Cícero Cattani
20 jul 2018

Osmar. Salto no escuro ou engolir o MDB de Requião

Derrotado em duas disputas ao governo do Paraná, Osmar Dias tem até o dia quatro de agosto para decidir  se tenta um salto mortal no escuro sem o MDB ou arrisca a um mandato de oito anos no Senado. Às vésperas das convenções partidárias, Osmar ainda lida com as exigências do senador Roberto Requião.  A estrutura partidária com os preciosos minutos de televisão do MDB é vital.

E, ainda mais, com Alvaro Dias perdido no espaço.

Roberto Requião não vai ceder barato: quer indicar o vice – de preferência o irmão Maurício – , assegurar a reeleição do filho a deputado estadual e, claro, a sua própria recondução ao Senado. O MDB é um partido grande e quer uma bancada na Assembleia e na Câmara Federal com igual tamanho da de hoje, pelo menos.

Também é preciso lotear as secretarias. A presidência da Copel, sem dúvida – para evitar que seja privatizada, alegará Requião. A volta das tarifas sociais de luz e água será um das bandeiras da aliança.

Dois acontecimentos recentes consolidaram o  quadro sucessório nacional, com reflexos na disputa estadual.

O Blocão fechou com Geraldo Alckmin e levou o PSDB para o palanque de Cida Borghetti, com um tempo formidável  de televisão, principalmente os fazedores da cabeça do eleitor que são os “comerciais” ao longo da programação das emissoras.

Um duro golpe nas pretensões de  Alvaro Dias e reflexos imediatos na campanha do irmão Osmar, que esperava por  uma legenda – Podemos –   capaz de somar votos  para ele.

– Diante da grande aliança formada em torno de Geraldo Alckmin, dirigentes presentes ao lançamento da chapa PSDB-DEM em São Paulo comentava: “O Álvaro Dias deve estar arrependido. O vice seria ele. Agora fica isolado e frágil, e o Geraldo conseguiu um vice muito melhor, que traz Minas”. O vice será Josué Gomes ( VM/BR18)

O candidato do PDT de Osmar será Ciro Gomes, esvaziado sem ter conseguido montar uma aliança forte e capaz de fortalecer qualquer chapa nas proporcionais. Escanteado, Ciro busca desesperadamente o que restou de partidos pequenos. Seu discurso verborrágico afastou os possíveis aliados mais fortes. Nem Osmar Dias estará com ele.

Roberto Requião, uma velha raposa política, sabe que  Osmar vai ter que se render às suas condições. Neste sábado, o MDB tem convenção. Vai definir nomes a deputados estadual e federal e ratificar Requião para o Senado.

E fica na espreita. Osmar topa as reivindicações de Requião, inclusive às ideológicas, ou fica solito com o programa de governo, que é como  ele quer, no colo: “Não governo mando eu”.

(Foto: Gazeta do Povo)

Comentários

  • prof Eliza | 21 jul 2018

    Nunca vi ninguem tão inseguro quanto esse Osmar Dias ; ele só tem uma saída que é abraçar-se ao grande Requião para ter chance na eleição , deve aceitar o nome do grande e sério Mauricio Requião para seu vice ; esse grupo ganha fácil da quadrilha do beto e ratinho !Pelo menos uma vez Osmar, coragem,pois vc e o Roberto ainda são os poucos políticos que prestam nesse estado . Chega de corrupto Paraná, o ratinho até ontem era da gangue e vai ouvir muito isso !

Faça um Comentário