Cícero Cattani
26 jul 2017

Jornalismo, justiça, parcialidade e proteção dos “ricos”

Por Valdir José Cruz (*)

Cinquenta e uma cidade de 14 estados receberam hoje a visita dos policiais federais na chamada Operação Glasnost, que investiga exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet.

Segundo a PF, 30 pessoas foram presas. Destas, 27 em flagrante. Os presos são médicos, professores, advogados, filhos de papais e de mamães.

As informações divulgadas são cheias de pudores. Mas o pior deles: os nomes dos criminosos presos são mantidos em sigilo.

Se fosse uma operação para prender pobres que furtam tomates em feiras, será que haveria a ocultação dos nomes dos encarcerados?

Este pacto da mediocridade me envergonha. Há jornalistas que, na reportagem, anotam, burocraticamente, o que o delegado federal dita e não vão além disso. O texto fica oficialesco e incompleto, como foi neste caso.


(*) Valdir José C uz é professor de jornalismo e blogueiro

Faça um Comentário