Cícero Cattani
16 ago 2017

Governo revê meta fiscal para R$ 159 bilhões em 2017 e 2018

<<<Meirelles: pediu que agências de risco adiasse revisão da nota do Brasil /


Leia as principais notícias desta quarta-feira (16) para começar a tarde bem informado. Por Exame Hoje


As quentes do dia

Governo revê meta fiscal para R$ 159 bilhões em 2017 e 2018. Governo também anunciou nova tributação sobre fundos de investimento e que reajustes já concedidos para servidores civis serão adiados. Também foi reduzida a previsão de crescimento do PIB em 2018 para 2%. Com o afrouxamento das metas, a previsão é de que haja déficit fiscal até 2020, afirma o Valor Econômico.

Meirelles pediu a agências de classificação de risco prazo de três meses para revisão de notas do Brasil. Temendo que a nova revisão de metas causasse mais um rebaixamento e abalasse o mercado brasileiro, o ministro teria entrado em contato com as agências internacionais para solicitar que elas esperassem um trimestre para rever as notas do Brasil, diz a Folha de S. Paulo.

Congresso articula volta do financiamento eleitoral privado. Para garantir uma saída, caso o fundo público de R$ 3,6 bilhões seja vetado, parlamentares estariam se articulando para aprovar PEC que restabelece as doações de pessoas jurídicas para campanhas políticas, publica O Estado de S. Paulo.

Delatores da Odebrecht vão para regime semiaberto. Segundo a Folha de S. Paulo, delatores da Odebrecht já estariam aproveitando a progressão de pena. Márcio Farias e Rogério Araújo, presos na 14ª fase da Operação Lava Jato, estão em prisão domiciliar e vão poder sair durante o dia, voltando para casa às 22h.

“Efeito Joesley” faz estragos nos balanços. De acordo com o Valor Econômico, a alta do dólar – causada pela delação dos donos da JBS- sobre as dívidas em moeda estrangeira corroeu os ganhos das empresas. O lucro líquido de 260 companhias abertas caiu quase 70% de abril a junho, na comparação com o mesmo período do ano passado, para R$ 4 bilhões.

Política e mundo

Reforma política será votada em plenário na Câmara nesta quarta. A pressa para votar o tema se deve ao curto prazo que os congressistas têm para conseguirem aprovar novas regras já para o próximo pleito eleitoral.

Meirelles diz que não há vitórias e derrotas dentro do governo. “Fizemos um estudo na área econômica e levamos ao presidente Michel Temer, que aprovou. É uma mudança de meta técnica, dentro da realidade. Não houve derrotados nem vitoriosos”, afirmou o ministro da Fazenda.

STF retira de Moro delações da JBS sobre Lula e Mantega. As investigações tratam dos depoimentos nos quais Lula e Mantega são acusados pelo suposto recebimento de recursos ilícitos em contas no exterior.

Líder norte-coreano se distancia de plano para atacar Guam. Kim “analisou o plano durante um longo tempo” e “o discutiu” com as autoridades militares na segunda-feira durante uma inspeção ao Comando de Forças Estratégicas, segundo a agência KNCA.

Enquanto você desligou…

Oi e Anatel fazem reunião sigilosa. A agência foi representada na reunião pelo superintendente Executivo Carlos Baigorri, informou a Anatel. Não foram revelados os nomes dos representantes da Oi.

Eldorado aumenta preços da celulose em US$ 30 por tonelada. Na Europa, o preço vai para US$ 910 a tonelada, na América do Norte para US$ 1,100 mil/t, na China para US$ 730/t e no restante da Ásia será um ajuste de US$ 30/t, mas a Eldorado não revelou o preço exato.

No fim do prazo, CSN diz que vai atrasar balanço do 2º trimestre. A companhia atribuiu o atraso ao trabalho que está fazendo com seus auditores independentes para concluir a revisão das demonstrações financeiras de 2015 e de 2016, o que impacta os relatórios deste ano.

Centauro é multada por fiscalizar uso de drogas dos funcionários. Denúncias diziam que os empregados eram submetidos a exames toxicológicos para detecção de uso de drogas, de forma aleatória.

Agenda do dia

Nesta quarta-feira, sai o fluxo cambial estrangeiro. Nos Estados Unidos, sai o indicador de Licenças para Construção em julho. A Zona do Euro divulga a prévia do seu PIB no trimestre.

Faça um Comentário