Cícero Cattani
12 mar 2018

Gleisi bem antes do escândalo dos pedágios

Por Valdir José Cruz  

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) marcou um gol de placa quando, lá em 2011, solicitou do Tribunal de Contas da União (TCU) uma auditoria para revisar os contratos do pedágio no Paraná, com a finalidade de baixar os preços abusivos das tarifas praticadas nas praças do estado. Estão entre as mais altas do mundo!

Não é de hoje que a senadora luta contra a prorrogação desses contratos irregulares, firmados desde o Governo Lerner. A luta surtiu efeito: o Ministério dos Transportes anunciou recentemente que não irá apoiar a prorrogação dos contratos no chamado Anel de Integração. A novidade, divulgada na imprensa paranaense, foi recebida com bastante entusiasmo pelos usuários. Na prática, significa que uma nova licitação será realizada a partir de 2021, quando encerram-se os contratos com as atuais concessionárias, e a expectativa é de que o novo modelo de concessão traga mais vantagens e preços mais justos.


Petista ou não petista, não tem quem em sã consciência não concorde com os benefícios da atuação da presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) em defesa do povo paranaense.


Em nota, Gleisi lembrou que, por diversas vezes, o governo do Estado tentou prorrogar essas concessões. Em 2013, Beto Richa teria recorrido até à presidenta Dilma Rousseff com esse objetivo, mas teve o pedido negado. “Os acordos dão mais lucro às concessionárias do que trazem vantagens aos usuários das rodovias. Por isso a tarifa é tão alta e pedimos para reavaliar os contratos. O governo do estado não tomou essa providência”, critica a senadora.


Claro que como bom tucano, o governador Beto Richa pede nas entrelinhas que “esqueçam o que ele fez e disse antes”. Apagou da memória que defendeu a prorrogação desses contratos com preços abusivos no bolso da população. Virou defensor do fim dos contratos “desde criancinha”.


Mas o povo não é bobo! Com essa decisão do Ministério, Gleisi marcou muitos pontos positivos junto ao eleitorado paranaense.

Faça um Comentário