Cícero Cattani
24 set 2018

Família Richa foi sócia de empresa que ganhou pedágio

Katia Brembatti.  Gazeta do Povo – 

Um punhado de sócios, entrelaçados, com interesses em comum e em atividades suspeitas – assim a força-tarefa da Lava Jato enxerga a relação entre as empresas pertencentes à família Richa (Fernanda Richa e filhos) e empreiteiras que venceram uma licitação para fazer obras e cobrar pedágio na rodovia PR-323 no Paraná.

Os documentos anexados ao processo da Operação Piloto, deflagrada em 11 de setembro, apontam datas coincidentes e negociações comerciais nebulosas, segundo a investigação. A defesa de Beto Richa e outros citados negam irregularidades.

Tudo gira em torno de 2014. No início daquele ano, executivos da Odebrecht afirmam que procuraram representantes da cúpula do governo do Paraná para apressar a concorrência da PR-323 e garantir que fossem os únicos concorrentes da disputa.

Uma das conversas teria sido com o então chefe de gabinete do governador Beto Richa (PSDB), Deonilson Roldo. O assessor foi gravado por um outro empreiteiro, Pedro Rache, que disse ter interesse na licitação. A gravação mostra que Rache foi desincentivado a participar, com o argumento de que a obra já estava prometida à Odebrecht e que poderia conseguir um outro negócio, na Copel, caso aceitasse desistir de disputar a Parceria Público-Privada (PPP) da PR-323.

A Odebrecht também estaria, de acordo com o depoimento de executivos da companhia, buscando parceiros locais no Paraná. E teria sido nesse momento que representantes do governo estadual teriam indicado, entre outras empresas, a Tucumann. O ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) Nelson Leal Junior, que fechou acordo de delação premiada, disse que soube, em conversas na Secretaria de Infraestrutura e Logística, que “Deonilson Roldo, além de acertar o pagamento de vantagem indevida com a Odebrecht, já tinha conseguido, a pedido de Carlos Alberto Richa, a entrada de três empresas próximas do governo no consórcio da PPP proposto pela Odebrecht”.

Ainda segundo o depoimento de Leal, foram indicadas a Tucumann e outras duas empresas, que tinham proximidade com o governo. Para o ex-diretor, a entrada efetiva das construtoras no Consórcio Rota 323 significaria que Beto Richa teria algum tipo de vantagem.

Logo depois da concorrência, realizada em 1.º de abril de 2014, que teve o conjunto de empresas encabeçado pela Odebrecht como único participante e vencedor, uma sociedade foi oficializada pelos integrantes do consórcio para formalizar a assinatura do contrato.

De acordo com executivos da Odebrecht, simultaneamente à licitação, representantes do governo estadual começaram a pressionar a empresa para que fossem realizadas doações para a campanha eleitoral daquele ano. O Setor de Operações Estruturadas, a chamada planilha da propina da Odebrecht, indica que ao menos R$ 3,5 milhões teriam sido destinados para Piloto, codinome que seria atribuído a Beto Richa. As informações foram passadas pelos executivos em colaboração com a Justiça, na forma de delação premiada.

A investigação feita pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal aponta a aproximação de empresas ligadas à família Richa com as empreiteiras. Ao rastrear as propriedades da família, o inquérito chegou à Ocaporã Administradora de Bens – que tem como sócios os três filhos de Beto Richa, a própria Fernanda Richa e a empresa BFMAR, formada pelos mesmos integrantes societários.

A Ocaporã, por sua vez, tornou-se sócia da Tucumann na constituição de uma empresa, a HP Administração de Bens – que foi constituída, com vários sócios, em julho de 2014, pouco mais de três meses depois da licitação da PR-323.

Tudo aconteceu em 2014
Delação aponta que Tucumann foi indicada pelo governo Richa para se associar à Odebrecht.Três meses depois da licitação, a construtora virou sócia de uma empresa da família Richa:

Para a investigação, a aproximação demonstra algum tipo de favorecimento ou de interesses. Além disso, haveria trocas de ativos em valores incompatíveis com a realidade de mercado. Por causa das suspeitas, as sedes da Tucumann no Paraná e na Bahia foram alvos de busca e apreensão durante a operação Piloto.

A prisão do empresário José Maria Ribas Muller, proprietário da empreiteira, chegou a ser pedida, mas foi negada pelo juiz Sérgio Moro. A empresa é sócia de vários outros empreendimentos, como o terminal de contêineres de Paranaguá, a concessionária Caminhos do Paraná e a administração dos parques nacionais do Iguaçu e de Fernando de Noronha.

A parceria entre a Ocaporã e a Tucumann durou somente até outubro de 2014 – quando a operação Lava Jato já se aproximava da Odebrecht e o projeto de fazer a duplicação da rodovia PR-323, em troca da cobrança de pedágio, já começava a patinar. Primeiro, o governo estadual teve dificuldades para dar a garantia financeira que teria como arcar com cerca de R$ 100 milhões por ano para contribuir com a redução da tarifa da PPP. Depois foi a vez de a Odebrecht ter problemas para conseguir o empréstimo que asseguraria as obras. Por causa dos entraves, o projeto não saiu do papel.

Outro lado
A Gazeta do Povo procurou, na quinta-feira (20), a assessoria jurídica da família Richa, por email e telefone, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O espaço segue disponível para o posicionamento.

Já com relação às acusações de privilégio para a Odebrecht, a defesa de Beto Richa sempre destacou que a obra na PR-323 não chegou a ser feita, portanto, não teria demandado recursos públicos, e que as doações feitas pela Odebrecht foram corretamente contabilizadas, com aprovação das contas de campanha pela Justiça Eleitoral.

A empresa Tucumann também foi procurada e não retornou o contato. Já a defesa de Deonilson Roldo destacou que o cliente sempre esteve disposto a prestar depoimento e que, portanto, a prisão dele pela operação Piloto seria descabida.

A Odebrecht, por sua vez, informou em situações anteriores que está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua.

A Contern informou, quando a gravação com Deonilson Roldo foi divulgada, que “em nenhum momento recebeu sinais de que o referido processo licitatório estaria direcionado para uma ou outra determinada construtora”. A Copel também negou irregularidades na ocasião. “A Copel nunca recebeu do governo do estado pedido ou orientação para aquisição do Complexo Termoelétrico Aratu ou qualquer outro empreendimento ou ativo.”

Faça um Comentário