Cícero Cattani
10 dez 2015

Dilma e Temer: “relação mais fértil possível”

BRASÍLIA/O GLOBO – A presidente Dilma Rousseff se reuniu com o vice-presidente Michel Temer por aproximadamente uma hora na noite desta quarta-feira no Palácio do Planalto. O encontro ocorreu, a pedido da presidente, dois dias depois de Temer ter encaminhado uma carta com queixas sobre a relação sem confiança entre ambos. Ela preferiu recebê-lo no gabinete presidencial em vez da residência oficial, Palácio da Alvorada, sinalizando para uma reunião de caráter mais institucional. Os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) também estavam no encontro.

Após a reunião, Temer se limitou a declarar que ele e Dilma acertaram manter uma relação “a mais fértil possível”.

— Combinamos, eu e a presidente Dilma, que nós teremos uma relação pessoal, institucional, que seja a mais fértil possível — disse Temer em uma rápida declaração antes de deixar o palácio do Planalto, onde aconteceu o encontro.

  • Dilma seguiu para o Palácio da Alvorada com Wagner e Berzoini. Segundo auxiliares da presidente, ela avaliou que a reunião foi “boa” e sem que houvesse nenhum momento de tensão. A presidente optou por divulgar uma nota depois a reunião, dizendo praticamente o mesmo que o vice:

“Na nossa conversa, eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente, sempre considerando os maiores interesses do País”, diz a nota presidencial.

Segundo auxiliares presidenciais, o espírito da presidente Dilma é evitar “brigas” entre os palácios do Planalto e do Jaburu. A presidente fala em obrigação constitucional na convivência com seu vice.

Durante o dia, Temer se reuniu com o novo líder do PMDB na Câmara. Leonardo Quintão (MG) e com deputados e senadores favoráveis ao processo de impeachment. Na manhã desta quarta-feira, o vice rebateu a posição do governo que considerou ilegítima a escolha da Comissão do Impeachment em votação secreta pela Câmara. Segundo Temer, foi uma decisão tomada no exercício legítimo da competência dos parlamentares.

Faça um Comentário