Cícero Cattani
15 set 2018

Delatores contam como a ganância ajudou a ruir o grupo político de Richa

Por João Frey, blog/Gazeta do Povo – 

Nos relatos dos dois principais delatores dos esquemas de corrupção que colocaram aliados políticos de Beto Richa (PSDB) na mira das operações Lava Jato e Rádio Patrulha fica evidente que desentendimentos dentro do próprio grupo foram decisivos para fazer os esquemas ruírem.

Tanto na delação de Nelson Leal Junior, ex-diretor do DER, como na colaboração do ex-deputado Tony Garcia há relatos de disputas internas motivadas, na maior parte das vezes, pela ganância dos envolvidos. Insatisfeitos com os valores que recebiam, empresários e políticos buscavam uma participação maior no esquema, o que frequentemente causava revolta em outros membros do grupo. Dessas divergências surgiram provas que hoje ajudam o Ministério Público Federal e o Gaeco, ligado ao Ministério Público Estadual, a embasarem suas investigações e denúncias.

Na delação de Leal sobre o favorecimento à Odebrecht na licitação da PR-323, o ex-diretor do DER relata uma disputa entre Pepe Richa, irmão de Beto e ex-secretário de Infraestrutura e Logística, e Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do governador. Segundo Leal, Pepe Richa defendia que a construtora Contern, do grupo Bertin, vencesse a licitação. De acordo com ele, o irmão do governador havia combinado propina de R$ 34 milhões com o grupo. Entretanto, Roldo queria que a Odebrecht levasse a disputa. Com construtora, o ex-chefe de gabinete teria negociado o pagamento de R$ 15 milhões, além da possibilidade de participação de três empresas ligadas ao grupo político, que compuseram um consórcio com a Odebrecht, que acabou vencendo a licitação.

A primeira prova que veio a público a respeito desse caso tem relação com essa disputa. Em maio, foi divulgado um áudio em que Deonilson Roldo conversa com Pedro Rache, diretor-executivo da Contern. Na gravação, que foi usada na investigação da Lava Jato, Roldo tenta demover a construtora de participar da disputa pelas obras na PR-323.

Na operação Rádio Patrulha, a disputa envolveu especialmente o empresário Celso Frare que, segundo o delator, se desentendeu com os outros empresários participantes do esquema. A discordância decorrente de disputas pela divisão dos lotes do programa Patrulha do Campo acirrou os ânimos do grupo e, nas palavras do delator Tony Garcia, virou “briga de quadrilha”.

Com o desentendimento, outro empresário, Osny Pacheco, gravou um vídeo de Frare repassando dinheiro para agentes políticos envolvidos no esquema. A gravação foi feita com uma caneta com câmera acoplada.

“Na verdade, era guerra de quadrilha. E cada um se protegendo de uma maneira e de outra para um não ferrar o outro. Era isso”, relatou Tony Garcia em sua delação.

O vídeo, ao qual Garcia teve acesso e repassou ao Ministério Público, é hoje uma das principais provas na investigação do Gaeco.

“Esse vídeo demonstra o modus operandi adotado para os pagamentos das propinas: maços de dinheiro vivo, depositados em envelopes, entregues na clandestinidade. Registre-se que o vídeo em questão se encaixa perfeitamente em todo o contexto já exposto: das alterações dos editais, das reuniões criminosas realizadas, do agradecimento pelo pagamento do ‘tico-tico’ pelo Estado, dos repasses aos operadores do esquema, enfim, de todas as informações trazidas ao conhecimento da Justiça pelo colaborador”, relatam os promotores.

(Foto: Aniele Nascimento, Gazeta do Povo)

Faça um Comentário