Cícero Cattani
10 nov 2015

Cerveró e mais dois serão transferidos para presídio

G1:

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, autorizou a transferência de três presos da carceragem da Polícia Federal (PF) para o Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. São eles: João Augusto Henriques, lobista ligado ao PMDB, Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, e José Antunes Sobrinho, um dos donos da Engevix.

O complexo é uma penitenciária de regime fechado e com finalidades médicas. O pedido de transferência foi feito pelo delegado da PF Igor Romário de Paula, na quarta-feira (4). Ele alegou dificuldades de espaço para manter os detentos na carceragem. Ao G1, a PF informou que até esta terça-feira não havia data prevista para as transferências.
O despacho do juiz foi publicado nesta segunda-feira (9). Ao acatar o pedido, Moro justificou que, de fato, a carceragem da Polícia Federal não comporta, por seu espaço reduzido, a manutenção de número significativo de presos.

“Tanto por isso autorizei, anteriormente, a remoção de outros presos relacionados à Operação Lava Jato para o Complexo Médico-Penal, local que vinha atendendo satisfatoriamente às condições de custódia dos referidos presos provisórios”, relatou o juiz.

Moro destacou ainda que os três presos ficarão em ala reservada, com boas condições de segurança e acomodação.
João Henriques é um dos denunciados em um processo envolvendo o ex-gerente da área internacional da Petrobras, Jorge Zelada, preso em Curitiba. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) apura irregularidades em um contrato com a empresa Vantage, que alugou um navio-sonda para a estatal.

Conforme o MPF, houve pagamento de propina a Zelada e a outros funcionários da estatal, para que a Vantage fosse beneficiada.

Nestor Cerveró comandou a Diretoria Internacional entre 2003 e 2008, utilizou o cargo para privilegiar empresas em negociações comerciais em contratos com a Petrobras em troca de propina, de acordo com a denúncia.

O ex-diretor tinha na figura de Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, um operador financeiro para viabilizar o pagamento de propina por parte de Júlio Camargo, ex-consultor da empresa Toyo Setal, ainda conforme as investigações. Cerveró é réu da Lava Jato e responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Já José Antunes Sobrinho é acusado de participar do pagamento de propina no valor de R$ 140 milhões em contratos com a Eletronuclear. A propina teria sido paga a agentes públicos e políticos, inclusive no exterior, em contratos da diretoria Internacional da Petrobras. Sobrinho responde pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa.

Confira quais são os presos que estão detidos na carceragem da PF:
Nestor Cerveró
Alberto Youssef
Nelma Kodama
Iara Galdino da Silva
Ricardo Hoffmann
Pedro Corrêa
José Antunes Sobrinho
João Augusto Henriques

Confira quais são os presos que estão detidos no Complexo Médico-Penal:
José Dirceu
Renato Duque
Flávio David Barra
Luiz Argôlo
André Vargas
João Vaccari Neto
Marcelo Odebrecht
Rogério Santos de Araújo
César ramos Rocha
Márcio Faria da Silva
Jorge Zelada
Fernando Soares
Otávio Marques de Azevedo
Elton Negrão

Comentários

  • Carla amorim | 10 nov 2015

    Está abrindo espaço olulaladrao

Faça um Comentário