Cícero Cattani
16 mar 2018

CCR-Rodonorte confirma propaganda enganosa do governo


Ação Popular, em tramitação na 4ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba,  pede a suspensão das propagandas do Governo do Estado  e a restituição dos valores gastos com toda a campanha publicitária aos cofres públicos. Mais uma vez, Beto Richa é pego na mentira: governo faz propaganda de obra que não é sua.


A veiculação de comerciais de TV com propagandas de supostas obras em rodovias do Estado levantou dúvidas na população. Seriam estas obras realizadas com dinheiro do pedágio ou com investimentos realmente do Governo? Questionada oficialmente, a CC-RodoNorte confirmou a mentira divulgada nos comerciais. Em resposta a um pedido de informações protocolado pelo Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, Deputado Estadual Requião Filho, a empresa afirma que todas as obras foram realizadas com investimentos integrais da Concessionária.

“Estas obras são realizadas com investimento integral da Concessionária, tendo como contrapartida a cobrança de tarifa a ser paga pelo usuário, conforme previsto no Contrato de Concessão nº 075/97, sendo que nos últimos 04 (quatro) anos, os investimentos aportados em obras, no Programa de Concessão do Lote 5, foi de R$ 1.055.915.595,00”.

“Isto demonstra, mais uma vez, a propaganda sendo feita com obra alheia. É fácil sair na foto, em ano eleitoral, como autor das benfeitorias realizadas pela iniciativa privada. Mas, de fato, aplicar o dinheiro dos impostos no que precisa ser feito, investir na manutenção e na duplicação das estradas não pedagiadas, este ‘desgoverno’ não faz”, criticou o deputado.

No documento enviado pela CCR-RodoNorte, a concessionária lista todas as obras realizadas e comprova a autoria das tais “dez frentes de trabalho de duplicações”, citadas nas propagandas do Governo Beto Richa como sendo obras do governo Beto Richa.

Requião Filho juntou as informações à Ação Popular, em tramitação na 4ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba, que pede a suspensão das propagandas do Governo do Estado na mídia e a restituição dos valores gastos com toda a campanha publicitária aos cofres públicos.

Comentários

  • bs | 18 mar 2018

    Cortesia com chapéu alheio, isso é facil, e a ninguezada acredita.
    Votar NULO proteste

Faça um Comentário