Cícero Cattani
04 set 2018

Carlos Ratinho e o Retrato de Dorian Gray


Um olhar pouco mais crítico do conteúdo do seu plano de governo mostrado na propaganda leva à impressão de que, mais do que juventude, Carlos Ratinho parece não ter ainda se livrado de algumas infantilidades.


Por Ruth Bolognese, Contraponto – 

Os cabelos pretos e brilhantes, a barba sempre bem feita, a roupa casual, o modo ágil de andar e gesticular, a fala rápida, o sorriso fácil a mostrar-lhe brandos os dentes, o olhar plácido que nunca denota fúria ou tristeza, só alegria – todo este conjunto de atributos empresta ao candidato Carlos Ratinho (PSD) o ar da juventude, a condição de representante perfeito do “novo” biológico e político, do moderno, distanciando-o da “velha” política. E tudo isso emoldurado pelo apelido Ratinho que herdou do pai para acentuar o caráter da meninice ligeira com que se move entre os eleitores com abraços, beijos e as indefectíveis criancinhas que carrega para fotos e vídeos.

Tudo isto explica muito o favoritismo com que aparece nas pesquisas e que apontam para ele uma provável vitória fácil nas eleições de outubro, talvez até já no primeiro turno. Os eleitores gostam de aparências, geralmente mais eficazes do que discursos profundos e distantes da compreensão intelectual do povo simples, dos radicalismos ideológicos que espantam a esquerda ou a direita, ou que retratem realidades mais duras e incômodas.

A construção desta imagem – em tudo parecida com o que o candidato realmente representa – constitui-se numa boa estratégia eleitoral e explica em grande parte o sucesso das votações extraordinárias que conseguiu nas eleições parlamentares que já disputou – e que por pouco não o tornaram prefeito de Curitiba em 2012.

Mas sejamos sinceros: tudo isso é superfície, é verniz que não resiste à passada de um bombril, a uma escovadela pouco mais severa. A imagem exterior de Carlos Ratinho parece corresponder perfeitamente ao vácuo interior quando promete chuvas de maná no deserto ou lança ideias tão vagas quanto inúteis para quem se dispõe a governar um estado com finanças postas artificialmente no limite.

Os programas de rádio e tv nos blocos principais, assim como as inserções veiculadas nos intervalos, as entrevistas e os debates de que participa dão a dimensão do estado gasoso de suas propostas. Um olhar pouco mais crítico do conteúdo do seu plano de governo mostrado na propaganda leva à impressão de que, mais do que juventude, Carlos Ratinho parece não ter ainda se livrado de algumas infantilidades.

Ainda que não se constituam molas mestras do seu programa de governo, propostas como a de “acabar com as mordomias” beiram à infantilidade, para não dizer que são uma brincadeira popularesca, com evidente viés demagógico. Se o candidato as leva a sério, o observador pouco mais arguto, ao contrário, percebe que está diante de alguém que não condiz com a expectativa de que o Paraná anda há 30 anos ou 40 anos precisando de governantes de maior porte.

Exemplos disso são suas afirmações de que vai acabar com as “regalias monárquicas”, com as “mordomias”, e que, para tanto, vai vender a ilha e a chácara do governador para aplicar os recursos em áreas essenciais. Engole estas ideias quem desconhece que a ilha do governador a que se refere Carlos Ratinho é a Ilha das Cobras, no Litoral do estado, um santuário ecológico que, ao contrário de ser vendido, deve ser é protegido pelo estado – a despeito de haver lá uma residência que, eventualmente, até possa servir a um governador.

Ou que desconheça que na “chácara do governador” – ou, mais propriamente, a Granja da Canguiri – não está situada apenas uma velha residência oficial, mas que também é local para o Complexo Newton Freire Maia, formado pelo Parque da Ciência Newton Freire Maia, um espaço dedicado à divulgação científica e tecnológica, e por vários outros órgãos do governo, como o Colégio Estadual de Ensino Profissionalizante e o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), entre outros.

Medidas como estas não fazem cócegas para a resolução de problemas mais graves e mais urgentes com que fatalmente se defrontará o próximo governador, que tomará posse de um governo com arrecadação insuficiente para cumprir se não o básico, com desafios urgentes como o de salvar a falida Paraná Previdência, de aparelhar a segurança, tirar a educação do atraso, cumprir suas obrigações com a saúde pública…

A continuar assim, com projetos “inovadores” a revestir um discurso “velho”, Carlos Ratinho corre o perigo de envelhecer com mais velocidade do que o Retrato de Dorian Gray.

Comentários

  • Altevir Roberto Cecatto | 05 set 2018

    Realmente uma ótima reportagem mostrando que este jovem ainda precisa aprender muito para ser governador do PR

  • Sadi Braz Carletto | 06 set 2018

    Sempre lhe admirei pelas posições acertivas e independentes com que coloca o quadro político. Mas é preciso não ser tendencioso e achar q Ratinho Jr é somente ideias velhas e conservadoras. Ainda não sou eleitor dele mas parece-me a melhor opção neste momento. Ao comentar veja também os pontos positivos das candidaturas.

Faça um Comentário