Cícero Cattani
04 nov 2015

Beto mantém suspensão de fechamento de escolas

AEN:

Em reunião com pais e diretores de sete escolas estaduais nesta quarta-feira (4), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, o governador Beto Richa reforçou a suspensão de qualquer medida que implique em fechamento de escolas ou colégios estaduais no Estado. “Temos compromisso de fortalecer e melhorar a qualidade do ensino público. Por isso, precisamos das nossas escolas abertas e bem estruturadas”, disse Richa.

O governador explicou o objetivo inicial da proposta – reestruturar a distribuição de alunos para melhor ocupar salas de aula – e disse que o governo estadual está sempre aberto ao diálogo para debater qualquer projeto. “Queremos estar sintonizados com os interesses dos professores e pais, que estão na ponta fazendo a educação. Estou à disposição e aberto sempre para o diálogo”, disse o governador.

Richa destacou o compromisso de priorizar a educação. Em 2016, o Estado aplicará R$ 7,8 bilhões na área, o que representa 34,1% do orçamento. “É um valor recorde que nenhum outro Estado brasileiro aplica. Mais uma demonstração prática do nosso compromisso de fortalecer a educação no Paraná”, disse Richa.

O governador também citou avanços na área em cinco anos, como a equiparação dos professores com os demais técnicos de nível superior do Poder Executivo, 60% de aumento salarial e aumento na hora-atividade de quatro para sete aulas semanais. Além disso, o investimento no transporte escolar foi mais que triplicado e 30 mil professores foram beneficiados pela solução do caso Vizivali. Houve contratação de mais de 20 mil profissionais.

PROPOSTA – A secretária da Educação, professora Ana Seres, explicou que a proposta do governo estadual era remanejar os alunos para prédios públicos, reduzindo despesas com aluguel. Ela disse que a medida já estava sendo estuda desde 2006.

“Seguindo determinação do governador, a medida está suspensa. Não haverá o fechamento das escolas e vamos achar uma solução em comum acordo com a comunidade escolar para otimização das salas de aula”, disse ela.

Atendendo um pedido dos diretores, a secretária anunciou a abertura de novas turmas de sexto ano nos colégios estaduais Nossa Senhora de Fátima e Dom Orione. “Queremos alunos estudando e salas de aula bem ocupadas.”

DIÁLOGO – Com a medida tomada pelo governador estão cancelados os estudos de reestruturação que incluíam principalmente imóveis alugados.

A exceção será para o Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos (Ceebja) Maria Deon de Lira, em Curitiba, que atende 1,7 mil alunos. O diretor da unidade, Anderson Canzella, explicou que o prédio é antigo, pequeno e não oferece acessibilidade aos alunos.

“Nosso pedido é continuar os estudos para nossa recolocação. Estamos há mais de 20 anos nesse prédio que é adaptado para funcionar como escola. Além disso, o custo mensal de aluguel é de quase R$ 24 mil, muito alto e precisa ser revisto”, afirmou. Ele elogiou a realização do encontro com o governador. “Foi muito positivo e marcou a abertura de diálogo para resolver os maus entendidos e equívocos da mídia quanto ao projeto”, afirmou Canzella.

O governo também esclareceu que nunca estudou fechar o Ceebja CIC. A unidade atende 800 alunos e está em uma área grande e com bastantes indústrias. A diretora Walliana Takasaki Costa explicou que o boato começou após uma reportagem que colocou o nome da unidade na lista de realocação.

“Tudo não passou de um grande equívoco. Em nenhum momento foi cogitado o fechamento da nossa escola”, disse Walliana. Ela destacou ainda a necessidade de reforçar o diálogo e agradecer a oportunidade de participar da reunião. “Saio tranquila com a garantia que os próximos passos do governo estadual serão feitos em conjunto com diretorias e comunidade”, afirmou.

O diálogo também foi destacado pelo representante da Associação de Pais, Mestres e Funcionários da Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima, Ricardo Vieira. “Muito importante abrir esse espaço para expormos nossa situação e ouvir um esclarecimento do governador”, afirmou Vieira. Ele comemorou ainda a decisão do governo de abrir turmas de sexta série na escola. “Era uma solicitação antiga da comunidade. Vamos conseguir colocar mais alunos na sala de aula e atender toda a demanda.”

Maria Ivonete Vendrametto, diretora da Escola Estadual Dom Orione, no bairro Santa Quitéria, agradeceu a oportunidade de conversar com o governador sobre a proposta de fechamento da escola. “Foi uma reunião muito importante para ouvir os esclarecimentos do governo e receber a notícia de que a escola não será fechada. Estávamos apreensivos”, disse ela. A Escola Dom Orione tem 48 anos e atende atualmente 860 alunos. “Nossa escola é referência no bairro pela educação de qualidade que oferta?”, afirmou.

Participaram da reunião o presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano, o líder do Governo na Assembleia, Luiz Cláudio Romanelli, e o deputado estadual Hussein Bakri.

Faça um Comentário