Cícero Cattani
10 jun 2018

Análise. Letargia do eleitorado é o principal obstáculo

Mauro Paulino e Alessandro Janoni/ do Datafolha –

Uma letargia eleitoral toma conta do cenário político. Mas trata-se de um torpor lúcido —apesar de estímulos de grande repercussão social e econômica, a opinião pública mantém suas tendências de intenção de voto.

Ou da anulação dele: como o Datafolha vem alertando há algum tempo, mantém-se recorde, em período equivalente, a taxa dos que pretendem votar em branco ou anular o voto nas próximas eleições.

Nas situações em que Lula (PT) é excluído da disputa, brancos e nulos superam Jair Bolsonaro (PSL), candidato que lidera, em nove pontos percentuais. Mesmo a prisão do petista não alterou o quadro significativamente, ao menos na pesquisa estimulada, na qual o ex-presidente é relacionado como candidato. Lula lidera com folga tanto no primeiro quanto no segundo turno.

O encarceramento diminuiu, no entanto, a lembrança imediata de seu nome na intenção de voto espontânea. Na primeira pergunta feita pelos pesquisadores do Datafolha, sem a apresentação dos candidatos, Lula soma queda de sete pontos percentuais em relação a janeiro, antes de se entregar à polícia.

Mas, nesse período, nenhum outro nome apresenta variação significativa. Nesse caso, a oscilação positiva de dois pontos percentuais de Bolsonaro enquadra-se na margem de erro do estudo.

O único índice que cresceu na espontânea e que reforça a tese da crise de representação é justamente o dos que dizem, logo no início da entrevista, que votarão em branco ou nulo. Hoje, essa é a resposta imediata de aproximadamente um em cada quatro brasileiros (23%). Em junho de 2014, era a de 8%.

Nem a greve dos caminhoneiros, por sua capilaridade, apresentou reflexos eleitorais. A percepção majoritária de que o movimento provocou mais prejuízos do que benefícios à população serviu apenas para intensificar a impopularidade recorde do governo e o desprestígio de algumas instituições.

Arranhões na imagem são detectados não só em campeões de rejeição como o Congresso e a Presidência, como também em entidades relativamente populares como a imprensa e as Forças Armadas. Comparando-se com o levantamento de abril, a desconfiança sobre a primeira cresceu oito pontos percentuais; a fé na segunda caiu cinco.

Com o eleitorado tão arredio, o tempo e os recursos escassos das campanhas demandam planejamento –qualquer erro de comunicação pode ser fatal, até para a mais promissora das candidaturas. O foco nesses eleitores ariscos, que descartam os nomes dos concorrentes e preferem anular o voto principalmente quando Lula é excluído, deveria ser prioridade, especialmente quando se tem entre os candidatos figuras que já foram desconstruídas em eleições anteriores, como o caso de Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

É um segmento que confia em Lula para presidente (supera a média tanto no primeiro quanto no segundo turno) mas é menos sensível ao petista como cabo eleitoral (54% não votariam em alguém apoiado por ele).

A reprovação a Michel Temer (MDB) chega a 93% no estrato, talvez por ser um dos conjuntos que mais identifica piora na situação econômica pessoal nos últimos meses.

É um grupo muito mais feminino e um pouco mais velho do que os brasileiros de um modo geral. A maior parte tem nível médio de escolaridade, e a concentração no Nordeste supera a média, apesar de também muito presente nas regiões metropolitanas do Sudeste. A maioria tem renda familiar de até dois salários, e 71% não têm partido de preferência.

Têm alto grau de desconfiança em relação às instituições democráticas e demonstram, mais do que a média, grande pessimismo quanto a crise econômica, desemprego, inflação e sobre as perspectivas do país pós-eleição.

Apresentar propostas consistentes que anulem a desesperança e que flertem com políticas sociais do lulismo é ponto chave para atrai-los.

A tradicional imagem com a camisa da seleção brasileira, torcendo nos jogos da Copa não será a melhor estratégia —o grupo é um dos que mais admite vergonha, e não orgulho, de ser brasileiro.

Faça um Comentário