Cícero Cattani
30 jan 2018

Alvaro, sempre ele a pedra no caminho de Osmar

Alvaro, Alvaro, sempre ele. Não é de agora essa ligação de dependência e falta de reciprocidade entre os irmãos Dias. Não há como negar que foi Alvaro que trouxe, ainda no governo José Richa, o desconhecido Osmar para a vida público e, mais tarde, bancou sua primeira eleição ao Senado, quando era governador. Também é de se reconhecer que Alvaro esteve ausente nos voos próprios do irmão.

Contudo, os projetos políticos de Osmar  nunca poderiam confrontar-se com os dele: primeiro ele, depois o irmão. Um pacto de sangue acertado no seio da família Dias, consta.

O tema dessa relação do “primeiro eu” volta com a abordagem do PSB de  atrair Osmar para compor uma chapa forte para o governo e, por óbvio, juntar-se ao presidenciável Geraldo Alckmin. O que vale dizer, igualmente, a garantia de  Osmar chegar finalmente ao Iguaçu, depois de duas derrotas –   uma para Roberto Requião outra para Beto Richa.

Em entrevista para o Contraponto, Osmar revela  ter dito ao maioral do PSB  que sua pretensão não é sair do PDT, mas construir uma aliança com o PSB, legenda com programa doutrinário semelhante ao trabalhismo de Brizola e que lhe dará maior estrutura, recursos do fundo partidário e tempo de televisão.  Carlos Siqueira não fez, em princípio, objeção à posição de Osmar, que, por sua vez, também não fechou as portas para uma eventual filiação ao PSB.

E que seu candidato preferencial é Alvaro Dias, não Ciro Gomes, como quer o PDT. O do PSB é Geraldo Alckmin, do PSDB.

Ora, é sabido que o PSB é da linha auxiliar tucana no Paraná. A força do pequeno partido – hoje inflado por richistas que se bandearam do PMDB – é estar atrelado ao governo do momento e vem de uma longa trajetória ligada ao grupo que detém o poder hoje, como ponto inicial  Jaime Lerner.

O PSB paranaense é Beto Richa, Richa é candidato ao Senado – nenhum embaraço para apoiar  o projeto de Alvaro. O que os tucanos querem, como de resto do país, é um palanque para Geraldo Alckmin. Aí é que mora o perigo.

Na verdade, Beto Richa pode estar nem aí  com Alckmin, importante é sua eleição ao Senado. Alvaro é inimigo, mas pode somar votos para ele.

————–

O que pontuaram  blogs, em ocasiões diferentes, sobre a relação Osmar/Alvaro:

  • – “Não pela primeira vez o senador Alvaro Dias pode atrapalhar os planos de seuirmãoOsmar Dias, que sonha há anos com o Palácio Iguaçu, levando-o a deixar o PDT”.  Guilherme Voitch, do Blog Paraná, da “Veja”
  • – “Sobre a atitude de seu irmão, Alvaro Dias, autor da proposta que exclui candidatura de outro partido, o que significa excluir a sua, Osmar Dias diz não compreendê-la, até, porque, “sempre tive orgulho de ver meu irmão governador em sua época, que já passou, por isso sempre acreditei que ele teria o mesmo sentimento em relação a mim”. Blog Fábio Campana
  • – “Têm sido raras ultimamente as manifestações de Alvaro Dias, candidato do Podemos à Presidência, em favor do irmão Osmar Dias, do PDT, candidato ao governo do Paraná. O contrário é que tem sido mais frequente: sempre que surge oportunidade, Osmar manifesta apoio a Alvaro, mas reluta em sair do PDT” . Celso Nascimento, Contraponto

Faça um Comentário