Cícero Cattani
01 set 2018

“Osmar fora do jogo, agora eu vou de João”, prega Ciro


“Até hoje não sei bem por que o Osmar desistiu de ser candidato”, diz Ciro Gomes. Em campanha pelo Paraná, presidenciável do PDT preferiu ressaltar o nome de João Arruda (MDB) na corrida ao Palácio Iguaçu


Por Euclides Lucas Garcia, Gazeta do Povo – 

“De passagem pelo Paraná neste sábado (1º), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) minimizou o fato de a chapa que o apoia no estado envolver outros três candidatos à Presidência da República. Dizendo confiar na certeza do paranaense em “votar bem” pela presença do senador Roberto Requião (MDB) na aliança, o pedetista afirmou até hoje não saber por que o ex-senador Osmar Dias (PDT) desistiu de disputar o governo do estado, e preferiu ressaltar a candidatura de João Arruda (MDB) ao Palácio Iguaçu.

Ao longo do dia, Ciro faz campanha em Curitiba, Francisco Beltrão e Londrina. Pela manhã, na capital, caminhou pelo tradicional calçadão da Rua XV de Novembro até a Boca Maldita, participou de um debate no Sindicato dos Metalúrgicos e visitou o Museu da Vida, na Pastoral da Criança.

Em entrevista coletiva, o pedetista foi questionado sobre a confusão na cabeça do eleitor paranaense diante das divergências entre a chapa estadual e a nacional do PDT. No Paraná, o partido integra a coligação de João Arruda, ao lado de MDB, PCdoB e Solidariedade. Na corrida presidencial, porém, as três legendas têm caminhos diferentes de Ciro: o MDB lançou Henrique Meirelles; o Solidariedade apoia o tucano Geraldo Alckmin; e o PCdoB, com Manuela D’Ávila, deve ficar com a vice do petista Fernando Haddad.

“Isso é consequência inevitável de existirem 35 partidos no Brasil e de fazermos eleições simultâneas para seis cargos. Jamais houve na história do Brasil uma aliança nacional que conseguisse se replicar em todo o país de forma coerente. A necessidade de coerência não é na sopa letrinhas, que um dia nós vamos resolver com uma reforma política decente. Precisamos procurar uma linha de decência e compromisso popular”, argumentou. “E aqui existe uma figura que o país inteiro admira que é o Requião, que é quem organizou essa aliança. A presença do Requião já é garantia unilateral da certeza de votar bem.”

Pela primeira vez, Ciro foi indagado sobre a desistência de Osmar Dias de ser candidato ao governo do estado. Em poucas palavras, o presidenciável pedetista preferiu exaltar o nome de João Arruda na briga para conquistar o Executivo estadual. “Na política, a gente vive de realidade. É claro que nós trabalhamos por dois anos com a perspectiva de o Osmar ser candidato, mas, na última hora, ele resolveu não ser. Eu, pelo menos até hoje, não sei bem por que, mas página virada. Estamos aí com o João Arruda, o Requião e o Nelton Friedrich [candidato do PDT ao Senado]. Tenho segurança de que o meu pedaço de identificação com a gente paranaense está guardado.”

O pedetista ainda minimizou a ampla vantagem nas pesquisas no estado do senador paranaense Alvaro Dias (Podemos). No levantamento mais recente divulgado pelo Ibope*, o parlamentar tem 27% das intenções de voto para presidente no Paraná – ele é o líder −, contra apenas 5% de Ciro (quarto colocado). “Eu, chegando na terra de um ilustre opositor, devo respeitá-lo. É natural e legítimo que parte importante do Paraná vote nele. Minha discordância com o Alvaro é de projeto. O dele é mais conservador, e o Brasil não aguenta essa agenda.””

Faça um Comentário