Cícero Cattani
12 jun 2017

2018 pode tudo, até a chapa Bolsonaro-Richa

Após as muitas reviravoltas que assolaram a política brasileira, da reeleição de Dilma Rousseff à abertura do impeachment, projetar hoje o cenário eleitoral em outubro de 2018 é uma temeridade. Mas uma previsão já é possível ser feita: o afastamento de Dilma e a ascensão de Michel Temer ao poder devem transformar as eleições de 2018 no pleito presidencial mais aberto desde 1989.

É o PSDB na corda bamba.

As mais improváveis alianças não podem sequer ser descartadas. Como Jair Bolsonaro presidente e Beto Richa,  vice, como desejam, ainda que possam ser intendidos como sendo o mais deslavado puxa-saquismo,  importantes integrantes da base aliada, entre os quais o próprio presidente do PSDB estadual, Ademar Traiano,  a desfaçatez malandra,  em conversa privada. – “Além do gosto pelo poder, sua subserviência ao governador é absoluta”, diz   Carta Capital.

– Após longos debates entre os que queriam integrar o governo Temer e os que defendiam apenas o apoio parlamentar, o PSDB acabou aceitando ocupar ministérios. agora terá de explicar à população em 2018 por que são diferentes da gestão que integravam e contra a qual pediram a cassação  no TSE”. (O Globo)

— Temos plena noção de que vamos ser julgados pelo que fizermos ou deixarmos de fazer. Mas preferimos que seja assim. É muito mais fácil defendermos nossa opção pela coragem e o risco do que pela omissão. Embora esta talvez fosse mais confortável — disse Aécio Neves.

– O PSDB comete um erro brutal de estratégia. O que se vê na sociedade é a busca de um canal que expresse a vontade do novo, de mudança e o PSDB poderia ser este canal, desde que se livrasse de seu passado que está sendo exposto e ficasse à frente dessa campanha. Mas na tentativa de se equilibrar junto do governo Temer, pensando num apoio eventual ao seu candidato em 2018 e em preservar o seu presidente afastado, acaba se perdendo nessa barafunda partidária brasileira e não apresenta alternativa à sociedade”, opina Merval Pereira, comentarista de O Globo/GloboNews.

–  “O maior problema é que se o PSDB sair do governo, ajuda a afundar o Brasil e aumentar a crise e o desemprego, o que vai atingir especialmente os mais pobres. Precisamos pensar no país e no nosso povo nesse momento”,  se posiciona Valdir Rossoni,  chefe da Casa Civil e voz política de Beto Richa.

Comentários

  • profa Eliza | 13 jun 2017

    Gostaria de saber em que estado do Brasil o tal psdb vai bem; é um bando de almofadinhas corruptos como no Paraná ! Fora richa e quadrilha !

  • Rock | 13 jun 2017

    Serei um torcedor fanático que o desmonte politico do PSDB chegue de vez ao fundo do poço para que eles em suas tramoias politicas tenham que ter como única alternativa se aliarem com Bolsonaro e darem de vez o abraço dos afogados e que o Brasil se livre de vez de Bolsonaro, Richa, Aécio, Serra , FHC e outros politicos parasitas sangue sugas do povo de uma vez só.

Faça um Comentário